Sabe o P no meio do meu @? É de Pereira, sobrenome da minha mãe que eu tenho orgulho de carregar – e que, junto com Amaral, me ajuda a ter 91732 homônimas.

Sempre tive curiosidade de ver a cara dessa árvore que minha família traz no nome, e foi perambulando pela África do Sul que dei forma a esse sobrenome super brasileiro.

A (linda) região de Worcester é produtora de frutas secas e, por isso, é repleta de plantações de maçã, pêssego, ameixa, uva, o hortifruti inteiro! Passei por alguns pés de pera por lá, mas cheguei depois da colheita e tive que me contentar em ver só a árvore – bem chinfrim sem as frutas, devo confessar. Já estava indo embora para o deserto de Karoo, e aceitando que a tal Pereira é uma árvore mirradinha e sem graça, quando um campo inteirinho delas apareceu na estrada.

 

 

Pulei do carro e fui correndo ver de perto as peras no pé. Lindas que só, com essas sardinhas cor de rosa, elas não estavam muito maduras, então só deu pra admirar mesmo.

 

 

Cheguei bem na hora que estavam aguando as plantas e acabei levando um banho com elas. Mas o importante é que conheci as hermanas pereiras – e de quebra ainda roubei um estoque de pêssegos nas árvores vizinhas ¯\_(ツ)_/¯

 

 

Com a saia encharcada e mil fotos pra mandar pra pereirada lá em casa, seguimos viagem. Agora é encontrar a tal parreira de uvas amargas chamada Amaral.