A África do Sul tem estradas tão lindas que, mais do que caminho, elas são destinos. Swartberg pass é um exemplo disso. A rodovia corta uma cadeia de montanhas no deserto do Karoo e liga algumas cidades da região. Mas as pessoas não viajam por lá procurando um atalho – pelo contrário, muitas vezes passar por Swartberg aumenta o tempo de viagem. Elas vão pra admirar um percurso tão lindo quanto onde se quer chegar.

 

 

Eu e o Warren estávamos indo de Ceres para Murraysburg, na direção oposta a Swartberg. Saímos um pouco da rota para almoçar em Prince Albert e, é claro, conhecer o tal caminho entre montanhas de pedra. Realmente, o desvio se justifica: no lugar de postos de gasolina e barracas no acostamento, você vê paredões laranja imensos dos dois lados, que vão escondendo e revelando a estreita via de terra. O riacho que margeia a rodovia deixa o trajeto ainda mais charmoso.

 

 

O Warren, que é geólogo, se sentiu na Disney. É que a formação das montanhas de lá é mesmo impressionante. Geralmente você vê um morro e consegue enxergar várias linhas horizontais, né? Que são camadas de materiais diferentes que se sobrepuseram ao longo do tempo (que o Warren não me veja simplificando 5 anos de estudo e 43872 eventos geológicos em uma só frase haha). Em Swartberg essas linhas são em zig-zags, ondas, direções opostas e, em alguns paredões, quase verticais, o que mostra a movimentação complexa e a força absurda que formaram a paisagem.

 

 

Curvas a perder de vistas e tons de relevo que parecem pintados à mão, assim é Swartberg Pass. O céu azul emoldurou a vista e ajudou a desenhar uma lembrança ainda mais bonita do Karoo. Agora, eu torço pra que esse relato te convença a um dia ir criar suas próprias memórias por lá.

 

 

 

 

 

 

 

 

pt_BRPortuguês do Brasil